quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Órbita de fogo

Sphere - John Frusciante

Corria entre as árvores daquela floresta de sangue. Hora dava tudo o que seu corpo aguentava, hora tropeçava em seus próprios pés. Perdida, nem sabia pelo o que procurar. Parava por alguns instantes, olhava em volta, e, cercada pela espessa fumaça branca ela apenas se desviava alguns graus para a intuição e continuava o caminho.

Mal sabia que estava circulando sua própria órbita ocular.

...

Bem, o que dizer num momento como esse?

A luta agora é pra continuar levantando todos os dias pela manhã, talhar cada vez mais profundo os sonhos em mim e... seguir.

Vou ruminar essa amargura até saber o que fazer com a dor. Vou carregar essa dor até digerir cada molécula de frustração. E depois, preencher os espaços vazios de coragem pra encarar a vida. Não quanto o que os outros acham ou querem de mim, mas a respeito do que eu mesma me proponho.

Essas minhas frases quase me convencem que eu consigo.

...

Vou dormir tarde de novo.
Vou abusar do café amanhã.
Vou me arrepender das coisas que farei, aliás, já estou arrependida.
E isso, só porque ainda me importo comigo mesma.
E muito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário